Criciumenses decepcionados da compra de imóvel na planta

Ao falar sobre o sonho da casa própria para os moradores de Criciúma é impossível não citar o ocorrido com a empresa Criciúma Construções, que ao vender milhares de imóveis na planta e posteriormente passar por problemas judiciais, acabou por não entregar os apartamentos deixando inúmeras famílias em total desespero.

Em um artigo anterior contamos uma pouco sobre o triste episódio ocorrido com a empresa, que chegou a ser considerada a maior do Sul do Brasil, com faturamento de R$ 30 milhões por mês. O pesadelo começou a partir de 2014, com o acúmulo de dívidas, deixando 93 obras inacabadas e quase 9 mil pessoas sem receber os imóveis (4 mil segundo os advogados da empresa, alegando que vários investidores compraram mais de um imóvel).

O que aprendemos com tudo isso?

Usando o argumento de que imóveis na planta são muito mais baratos e fáceis de comprar comparados a imóveis usados, as construtoras conquistaram milhares de clientes em todos os estados do Brasil.

O que esses consumidores não se atentaram ao fechar o contrato são os riscos da compra de um apartamento nessas condições. São eles: atraso nas obras; má execução das obras; ou pior, obras sem terminar. O Instituto Nacional de Recuperação Empresarial estima que quase 25.000 famílias sejam “donas” de casas e apartamentos que não foram entregues

As pequenas incorporadoras

As incorporadoras de pequeno e médio porte, que faturam menos de 30 milhões de reais por ano e constroem em pouquíssimas cidades são as que mais geram problemas de entrega. Essas empresas correspondem a 70% das obras em andamento no país, portanto toda atenção é pouco. Antes de fechar qualquer negócio pesquise bastante sobre a empresa na internet, encontre outros consumidores pelas redes sociais e obtenha o máximo de informações possíveis antes de tomar qualquer decisão.

Distrato de imóveis atinge números Record

Uma pesquisa realizada em 2015 pela agência de classificação de risco Fitch Ratings mostra que 36% dos imóveis em construção foram devolvidos. A devolução da compra de um apartamento, popularmente conhecida como distrato de imóvel na planta, representou 6,5 bilhões de reais em 2015, um número muito preocupante. A principal culpa é das próprias construtoras, que falham no planejamento e tentam vender imóveis ainda em construção a qualquer custo.

O que deve fazer quem comprou na planta e quer desistir?

A recomendação de especialistas para consumidores que compraram na planta e querem desistir é optar pelo distrato de imóvel. Prática simples e legal, que garante ao comprador a opção de receber 100% do dinheiro pago a construtora, caso a obra atrase mais de 180 dias da data de entrega prevista em contrato. Ou receber de 80% a 90% dos valores pagos caso o motivo da desistência seja culpa do próprio consumidor (perda de emprego, mudança de cidade, etc). Todo o valor deve ser pago à vista com juros e correção.

Caso essa seja sua situação, procure um advogado focado em direito imobiliário e lute pelos seus direitos.